Você sofre com suas unhas?

Por Mariana Piccinin

Unhas frágeis, psoríase ungueal, unha em telha, unha em pinça, unhas encravadas, deformidades por acidentes e até tumores nas unhas. Um lugar tão pequeno que nem parece poder atrapalhar ou doer tanto, não é mesmo?

As doenças e alterações que podem acometer as unhas são inúmeras. Vamos falar de algumas delas com mais detalhes?

A unha encravada, ou onicocriptose, é uma inflamação causada pelo crescimento de parte da unha em direção à pele. Costuma surgir no primeiro dedo, o conhecido dedão do pé. Pode ocorrer em qualquer faixa etária e em ambos os sexos, mas é muito mais frequente dos 10 aos 30 anos, e em quem pratica esportes, como corrida e futebol. Atividades que causam trauma nas unhas dos pés podem contribuir para o surgimento do problema, assim como o uso de calçados apertados e meias sintéticas.

O encravamento se caracteriza pela inflamação e vermelhidão dos cantos das unhas, que podem até mesmo soltar pus e provocar dores com intensidade variada.

A forma correta de cortar as unhas é o corte reto, sem arredondar os cantos, mas muitas pessoas fazem justamente o contrário. Outros fatores como anormalidades na forma da unha podem favorecer o encravamento e, além disso, o excesso de suor nos pés deixa o ambiente ainda mais úmido, o que pode machucar a pele ao redor das unhas e contribuir para o surgimento do problema.

O granuloma piogênico é uma complicação da unha encravada e é popularmente conhecido como “carne esponjosa”. Além de provocar dor, essa lesão sangra facilmente. Esse tipo de problema, quando crônico ou de repetição, deve ser tratado pelo dermatologista no consultório, com cirurgia ou cauterização, e antibioticoterapia domiciliar, conforme cada caso.

A extração completa da unha deve ser evitada, pois ela, certamente, encravará novamente quando crescer. O tratamento cirúrgico é realizado com anestesia local e consiste na retirada parcial da unha doente, visando desobstruir a passagem da unha, retirando até sua matriz e o canto que encrava, que poderá, então, crescer livremente. Há diversas técnicas, utilizando produto químico ou não e com ou sem pontos. No tratamento chamado de fenolização de matriz, o dermatologista aplica um ácido que destrói parte da unha que estava encravada e o local cicatriza mais rapidamente, sem necessidade de pontos ou cortes na pele. Um método eficaz, com poucas recidivas e de recuperação mais rápida.

Cada caso deve ser estudado em particular para que seja indicada a melhor opção de cirurgia. Quando a intervenção é bem indicada e realizada nas condições ideais, as taxas de recidiva são baixas, desde que o paciente evite os hábitos que o levaram a desenvolver o problema. O paciente pode e deve praticar esportes, o importante nestes casos é o uso de calçados adequados e do repouso necessário para os pés.

Deformidades nas unhas podem ser tumores

Algumas pessoas têm as unhas com formatos diferentes, algumas até com rachaduras caprichosas, que se repetem nos mesmos lugares e nas mesmas unhas. Você sabia que esses sintomas podem indicar alguns tumores dentro da região onde a unha é produzida ou no trilho por onde ela cresce?

tumor glômico unhas

Um deles é o tumor glômico, benigno, que pode afetar as mãos, nariz, orelhas e até outros órgãos, como o rim e o estômago. Mais comum em mulheres jovens, quando nas unhas é muito doloroso. Seu tratamento é a cirurgia do local para cauterização.

Consulte seu dermatologista!

Referências:

Dra. Mariana Piccinin

CRM – 26644

RQE – 17838

 

Para mais informações:

Policlínica – Foz do Iguaçu

(45) 3025-6925